Entenda a diferença entre um sinistro de pequena e média monta

média monta
6 minutos para ler

Os carros fazem parte do dia a dia da grande maioria das pessoas e podem ser extremamente úteis, tanto para o trabalho quanto para momentos de lazer. No entanto, o alto número de veículos e a imprudência de alguns motoristas pode resultar em acidentes. Por isso, vale a pena entender a diferença entre um sinistro de pequena e média monta.

O universo leiloeiro está repleto de boas alternativas de veículos sinistrados, o que pode fazer com que você consiga comprar um exemplar da marca e do modelo que sempre sonhou, por um valor que você pode pagar sem comprometer o seu orçamento. Quer descobrir como fazer isso? Então, continue lendo o post e aprenda mais sobre o tema!

O que é um sinistro?

No meio dos seguros, assim como ocorre em qualquer segmento do mercado, existem alguns jargões que fazem parte do cotidiano de clientes e profissionais. Certamente, um dos termos mais populares no meio é o sinistro de automóveis. E bastante provável que você já tenha ouvido falar sobre ele, pois consta em qualquer apólice ou contrato.

O seu conceito está relacionado com qualquer evento no qual o bem segurado sofre um prejuízo material, seja ele parcial ou total. Por isso, a sua adequada definição, especialmente quando pensamos no contexto de um veículo, vem junto à severidade dos danos, que podem ser de pequena, média e grande monta.

E o que é um carro sinistrado?

Agora que você já entendeu melhor o conceito de sinistro, vamos falar sobre o que é um carro sinistrado. Como você já deve imaginar, trata-se de um veículo que sofreu algum tipo de avaria e o dono precisou acionar o seguro. Entre as possibilidades mais frequentes, estão colisões, roubos, furtos e assim por diante.

Com isso, a seguradora paga o valor acordado na apólice e, dependendo do que aconteceu, pode ficar com o automóvel sinistrado sob sua propriedade. O curioso é que, eventualmente, ela pode reaver um carro em excelentes condições, com pouco ou nenhum dano, e o colocar para ser vendido em um futuro evento de leilão, por exemplo.

Quais os principais tipos de sinistro de carro?

Como já mencionados, existem diversos tipos de sinistros de veículos e diferentes situações que podem fazer com que o funcionário acione a seguradora, utilize sua apólice e acabe tendo um carro sinistrado. O Brasil é particularmente prodigioso em variedade destas ocasiões. Veja, a seguir, algumas delas.

Colisões

Quem nunca viu ou até mesmo se envolveu em uma batida de carro? Seja pela correria das grandes cidades, a má sinalização das vias ou mesmo por um segundo de desatenção, as colisões são muito frequentes e nem sempre representam perda total. Dependendo da porcentagem do estrago causado, a indenização poderá ser parcial ou completa. 

Roubos e furtos 

Infelizmente, os roubos e furtos ainda são muito frequentes no Brasil. São duas condições classificadas como sinistro e, depois que o proprietário comunica o ocorrido, ele tem direito a receber o valor integral previsto na apólice de seguro. Caso o veículo seja posteriormente recuperado, ele pode ir à leilão, mesmo com poucos ou nenhum dano.

Causas naturais

As causas naturais também estão entre os principais tipos de sinistro. Muitas cidades brasileiras estão sujeitas a temporais, enchentes, quedas de árvores, entre outros eventos. Eles podem danificar o veículo sem aviso, causando tremendos prejuízos. Porém, não são todas as apólices que têm essa cobertura e, por isso, é crucial ler o contrato para não perder dinheiro.

Como é a classificação de sinistros de um carro?

Em função dos níveis de danos causados ao veículo, conforme explicado, existe uma classificação que ajuda a identificar o tamanho do problema. Geralmente, os mais comuns do mercado são os de pequena e média monta, sobre os quais destacaremos algumas informações abaixo. Acompanhe.

Pequena monta

Os chamados danos de pequena monta são muito comuns no universo dos seguros e ocorrem quando os veículos sofrem danos que afetam apenas a estrutura externa e determinadas peças mecânicas. Dessa forma, quando essas partes são substituídas ou recuperadas, permitem que o carro volte a circular, sem requerimentos adicionais de verificação.

Média monta

Já os danos de média monta são um pouco maiores e, quando ocorrem, podemos entender que o veículo sofreu danos mais intensos em suas peças externas, mecânicas e estruturais. Depois de realizados os devidos reparos, será preciso fazer uma inspeção de segurança veicular e obter o CSV (Certificado de Segurança Veicular) para voltar a rodar.

Quem determina o tipo de classificação do sinistro?

Quem determina o tipo de classificação de sinistro é o agente de trânsito, no momento da concretização do Boletim de Ocorrência do acidente. Existe uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) para isso, datada do ano de 2008, estabelecendo critérios que devem ser avaliados para qualificar o que aconteceu.

Na prática, o que é avaliado é a situação e a possibilidade de o automóvel voltar a circular livremente após os devidos reparos ou se o carro somente poderá voltar às ruas depois de uma inspeção ou até mesmo se ele não poderá retornar. Para o mundo dos seguros, trata-se de uma etapa muito importante.

Como fica o sinistro no documento?

Muitas pessoas se perguntam como fica o sinistro no documento do carro. Como dissemos, quando o dano é de pequena monta, isso não fica marcado na documentação. Já os que sofrem agravos de média monta, terão essa anotação no campo de observação por problemas, mas também a comprovação da inspeção de que estão aptos a rodar.

Por isso mesmo, veículos em leilão que foram recuperados de seguros podem ser um excepcional investimento. Você poderá encontrar o modelo que sempre desejou, da marca dos seus sonhos, por um preço muito menor do que o de mercado. Basta encontrar uma empresa de confiança, que ofereça um bom atendimento e começar a dar os seus lances. 

Gostou de entender melhor qual a diferença entre um sinistro de pequena e média monta? Quer conferir mais conteúdos como esse? Então, que tal seguir a página da Vip Leilões no seu Facebook?

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-