Você sabe a diferença entre CRV e CRLV? Venha descobrir!

diferença entre crv e crlv
6 minutos para ler

Embora a situação esteja melhorando bastante nos últimos anos, o Brasil é um dos países mais burocráticos do mundo e, mesmo para coisas corriqueiras, é preciso ficar em dia com uma série de taxas, impostos e documentações. Para ajudá-lo nessa empreitada, preparamos este post explicando um pouco melhor a diferença entre CRV e CRLV.

As siglas, respectivamente, para Certificado de Registro de Veículo e Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos, se referem a documentos obrigatórios para os proprietários de carros em território nacional, mas contam com significativas diferenças entre si. Continue lendo e descubra quais são.

Como funciona o registro de veículos?

Antes de explicar melhor as diferenças que existem entre CRV e CRLV, é importante que você saiba como funciona o registro de veículos. Ele é obrigatório no Brasil e supervisionado pelo famoso DETRAN, que é a abreviação para Departamento de Trânsito e, embora tenha regras unificadas em território nacional, conta com disposições específicas em cada estado.

Por isso, o processo de registrar devidamente um carro pode variar um pouco de acordo com o local e a maneira pela qual você fez a compra. O procedimento pode ser feito pelo dono, um representante com uma procuração ou a entidade jurídica proprietária do veículo. No entanto, comprando um automóvel novo ou usado, você precisará ter em mãos o CRV e o CRLV.

O que é o Certificado de Registro de Veículo?

O Certificado de Registro de Veículo, mais conhecido pela sigla CRV, trata-se de um documento que tem por finalidade comprovar a propriedade de um carro. Ele tem validade para pessoas físicas e jurídicas, oferecendo diversas informações essenciais, tais como o número da placa, do chassi, o tipo de combustível utilizado, ano de fabricação, cor e modelo.

Por isso mesmo, sempre que houver qualquer modificação, ele precisa ser atualizado no Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) do estado, mesmo que seja apenas uma pintura com uma tonalidade diferente. Ao contrário do que muita gente pensa, o CRV não tem validade e é emitido uma vez, devendo ser guardado com o máximo de segurança.

O motorista não precisa portar o Certificado de Registro de Veículo o tempo todo, ou seja, ele não é de posse obrigatória. No entanto, para circular, a sua emissão é necessária, pois ele funciona como uma espécie de “Carteira de Identidade” do carro, servindo também quando houver uma transferência, ou seja, quando alguém vender ou comprar o bem.

Inclusive, até o ano de 1985, o nome do CRV era DUT (Documento Único de Transferência). Ele ganhou a nomenclatura atual a partir de uma grande mudança no sistema nacional. Por conta da sua relevância, é confeccionado em um papel especial, que proporciona um pouco mais de resistência e maior durabilidade.

Para solicitar a primeira emissão de um Certificado de Registro de Veículo, o cidadão precisa levar a nota fiscal de compra, fornecida pela montadora ou concessionária. Já para solicitar uma segunda via, a exigência é maior, incluindo o CRV anterior, o CRLV, comprovante de transferência de propriedade e, se for o caso, o Certificado de Segurança Veicular.

O que é o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos?

O Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo, mais conhecido pela sua sigla CRLV, é bastante diferente do CRV, embora muitas pessoas ainda confundam os dois. Também chamado de licenciamento, ele precisa ser renovado todos os anos, depois que o proprietário efetuar o pagamento do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Como você já deve saber, os valores variam de acordo com o modelo do automóvel, o ano e o local. Além disso, a data para o pagamento varia de acordo com a placa, sendo divulgada anualmente pelo DETRAN. A sua posse é obrigatória sempre que a pessoa for dirigir, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), assim como ocorre com a Carteira de Habilitação.

O Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos é emitido pelo CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) e DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito). Caso você se esqueça, automaticamente estará cometendo uma infração lde trânsito, podendo perder dinheiro com uma multa e até ter o veículo apreendido, só podendo ser recuperado depois da apresentação do CRLV em dia.

Como funcionam o CRLV e o CRV digital?

Com o advento da internet e as necessidades de distanciamento imprimidas pela pandemia do novo coronavírus, muitos trâmites que eram presenciais passaram a ser aceitos por meio de modalidades digitais. O mesmo não poderia deixar de ocorrer com a emissão do Certificado de Registro de Veículo e do Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo.

Resoluções dos órgãos competentes permitiram que o motorista apresente os documentos de forma eletrônica quando isso for solicitado, com a mesma validade da versão física, por meio de um aplicativo, chamado Carteira Digital de Trânsito (CDT). Isso desobriga o proprietário a carregar a papelada e traz mais praticidade e segurança para a população.

Quais as principais diferenças entre CRV e CRLV?

Se você chegou até aqui, você já descobriu como os dois documentos se diferem. Uma das principais é que o CRV não tem data de vencimento, enquanto o CRLV precisa ser renovado todos os anos, de acordo com o calendário divulgado pelo DETRAN local. Caso isso não seja feito, você pode ter um belo abalo financeiro com uma multa.

O mesmo princípio vale, aliás, quando houver mudanças de dono ou nas características do carro, que precisam ser atualizadas no Certificado de Registro de Veículo. Vale lembrar que, para que isso seja feito, todos os eventuais débitos do veículo devem estar em dia, sobretudo o DPVAT, condição básica para a renovação.

Depois de entender melhor a diferença entre CRV e CRLV, torna-se mais fácil ficar em dia e manter a documentação atualizada. Cogite a aquisição de um veículo em leilão, pois eventuais pendências e todas as informações necessárias constam no edital, trazendo clareza e tranquilidade para uma compra tão vantajosa!

E aí, não vai mais confundir CRV e CRLV? Ainda ficou com alguma dúvida ou quer deixar sua sugestão? Então, não deixe de fazer um comentário aqui no blog!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-