Mercado de leilões: conheça os 10 principais termos

mercado de leilões
7 minutos para ler

O mercado de leilões é um dos ambientes mais oportunos para aqueles que estão em busca de um bom negócio. Apesar disso, a modalidade ainda não conta com a mesma popularidade dos outros formatos de aquisição, o que pode trazer algumas dúvidas para o consumidor brasileiro.

Elaboramos este post especial para apresentar os termos mais usados durante os leilões e te ajudar a entender melhor essa modalidade de compra e as ofertas que ela propõe. Não perca tempo e acompanhe esta leitura!

O que é um leilão e como ele funciona?

Essencialmente, um leilão consiste em uma tribuna de negócios, onde se reúnem diversos compradores em potencial — e esse ambiente pode ser presencial ou digital. Então, os bens anunciados a venda são disputados por uma sucessão de ofertas, disparadas pelos interessados na aquisição. Sem segredos, a modalidade é simples no seu formato — o maior lance, vence!

Mas engana-se quem pensa que essa simplicidade se repete no seu funcionamento e fiscalização. Altamente regulados, os leilões atravessam uma série de etapas até a realização do evento. Veja como isso acontece:

  1. por uma série de motivos, existem bens que precisam ser vendidos, seja para quitar dívidas com credores ou acumular recursos a uma operação;
  2. então, a instituição ou órgão público define um leiloeiro, que será a Pessoa Jurídica responsável por administrar as etapas, ofertas e aquisições na comercialização desses bens;
  3. com a escolha da casa de leilões, também se define o formato de realização, que pode ser presencial, eletrônico ou simultâneo;
  4. para poder ofertar nos itens de um evento, os interessados devem se cadastrar com o leiloeiro responsável por essas mercadorias;
  5. então, realiza-se o leilão, seguindo a lógica descrita anteriormente, com a disputa de ofertas, em que a maior ganhará o direito de adquirir o bem.

Quais os principais termos no mercado de leilões?

Mesmo que se conheça o funcionamento de um leilão, é possível que o consumidor de “primeira viagem” ainda não esteja familiarizado com outros termos do setor, que por serem ainda mais específicos, dificultam sua compreensão. Mas fique tranquilo, pois como perceberá abaixo, nós preparamos um glossário com as expressões mais importantes e frequentes nesse mercado. Dê uma olhada!

1. Arrematante

Esse é o protagonista principal de um leilão, pois quem arremata é o comprador, que por meio da oferta mais alta, comprou a mercadoria.

2. Comissão

Basicamente, tudo que é vendido em um leilão contará com o valor da venda + 5% de comissão sobre este valor, como remuneração ao leiloeiro ou casa de leilões. Eventualmente, esse percentual pode variar.

3. Comitente

Essa é a figura do vendedor, a pessoa física ou jurídica que está disponibilizando os itens à venda, como instituições financeiras, construtoras, incorporadoras e afins. Aqui, é importante não confundir o comitente com o leiloeiro, já que o segundo é responsável pela plataforma da negociação, e não pelo bem comercializado.

4. Edital

É um documento oficial que compila todas as informações cruciais de um evento, apontando dados de realização, como data, horário e local. Além disso, o edital ainda apresenta descrições completas sobre cada uma das mercadorias e esclarece todas as curiosidades e especificações condicionais desses itens, com o máximo de transparência e respeito aos compradores.

5. Judicial e Extrajudicial

Nada mais são do que dois termos que categorizam o tipo de leilão. O judicial decorre da comercialização de mercadorias a partir de uma ordem judicial, em que se definiu a venda dos bens para a concretização de um acordo julgado na Justiça. Por conta disso, pode incluir imóveis, veículos, móveis, maquinários, roupas, comidas e uma série de outros itens de Pessoas Físicas e Jurídicas que tiveram problemas na esfera civil ou criminal.

Já o extrajudicial, como sugere o nome, inclui os bens que vão a esse tipo de execução sem estarem lastreados a uma ação na Justiça, ainda que a tomada de posse de um bem como um imóvel possa requerer os trâmites jurídicos por conta do novo proprietário. Para se aprofundar no tema, vale conferir nosso artigo especial sobre essas diferentes categorias.

6. Lance automático, manual, mínimo e condicional

Aqui temos o termo principal nos leilões. Um lance é o valor que o cliente deseja pagar pelo bem. O mínimo é bastante sugestivo, pois representa o menor valor que o bem deve alcançar para que seja vendido. Já o automático é uma funcionalidade dos leilões online, em que o comprador cadastra um valor teto para seus lances, possibilitando disparar essas ofertas automaticamente, sempre que a anterior seja superada.

O manual funciona tanto presencial quanto digitalmente, por meio da ação voluntária do comprador, que manifesta seu interesse e indica o valor de sua oferta. Por último, há o lance condicional, que acontece sempre que o leilão termina, sem que o item tenha atingido o seu preço mínimo de venda.

Nessa situação, a casa de leilões avisará os participantes que o lote está em situação condicional. Então, pegará o maior lance ofertado e o repassará ao vendedor. A parte vendedora poderá aceitar, recusar ou contraofertar ao comprador interessado. Caso essas partes entrem em um acordo em comum, a negociação é realizada, mesmo que abaixo do valor de venda inicialmente estipulado.

7. Incremento

É o valor adicional de cada lance. Por exemplo, digamos que durante o leilão de um veículo, o incremento está definido em mil reais. Na sequência, os próximos lances serão de R$ 2 mil, R$ 3 mil, R$ 4 mil e assim por diante.

Inclusive, também vale lembrar que o valor do incremento pode mudar durante o leilão, conforme a disputa por uma mercadoria “esquenta” ou “esfria”. Nesses casos, o leiloeiro pode reduzir o incremento para R$500, atraindo mais lances, ou aumentá-lo para R$ 2 mil, para quando o lote ainda estiver longe do valor de venda.

8. Lote

Esse é o termo utilizado para descrever as mercadorias, seja individual ou coletivamente. Por conta disso, um lote pode tanto ser composto por apenas um bem como uma série destes. Por isso, o comprador deve prestar atenção ao examinar a oferta e identificar tudo o que compõe o lote no qual está interessado.

9. Primeira e segunda praça

Praças são os termos utilizados para definir a data de realização de um leilão, com uma diferença pontual. A primeira praça é, também, a primeira data para a realização do evento, em que o lote é ofertado por seu valor de avaliação. Já na segunda praça — ou seja, tentativa de venda, o bem é ofertado a preço inferior ao de sua avaliação, comumente estipulado por um Juiz. 

10. Repasse

Esse é um dispositivo interno dos leilões, em que naturalmente, existirão aqueles lotes que não despertaram interesse nos compradores num primeiro momento. Com isso, durante o decorrer do evento, os participantes poderão solicitar o repasse de determinado lote, que nada mais é do que a realização de uma segunda tentativa de arremate desse bem, em um novo pregão.

Por fim, ainda vale lembrar sobre a importância de se contar com uma empresa comprometida com a sua conquista, que ofereça uma plataforma transparente, ágil e amigável a realização de um negócio.

Agora que você já está antenado nos principais termos do mercado de leilões, não perca a oportunidade de entrar em contato com a nossa equipe de especialistas e tirar todas as suas dúvidas restantes no tema. Acesse nosso portal e Fale Conosco!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-